Publicidade

sábado, 24 de junho de 2017

Aliados no PSDB reagem a ação para destituir tucano

Aécio Neves não pretende renunciar ao cargo de presidente nacional do PSDB

© Ueslei Marcelino/Reuters
Com nove inquéritos em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) ainda tenta resistir a um processo de renovação da Executiva nacional de seu partido.

Presidente licenciado da legenda, o mineiro já avisou que não pretende renunciar, e seus aliados também buscam postergar a troca de comando na direção partidária para que ele se mantenha no cargo.
"O Tasso (Jereissati) tem a confiança de todo o partido. Interino ou não, a autoridade dele é a mesma. Não sei por que querem colocar isso (eleição de uma nova Executiva) como prioridade neste momento, não há razão. É uma forma indireta de querer ficar provocando o senador Aécio Neves", disse o presidente estadual do PSDB em Minas, deputado Domingos Sávio, um dos principais aliados do senador afastado.
O Estado/Broadcast apurou que a resistência mineira foi o fator responsável pelo adiamento da última reunião da Executiva, que ocorreria na quarta-feira. O encontro serviria justamente para que os tucanos sacramentassem uma antecipação da convenção nacional do partido, com o objetivo de eleger o presidente interino e senador Tasso Jeiressati (CE) de forma definitiva.
O que tem causado discórdia, no entanto, é a proposta de renovação de toda a composição da Executiva, e não apenas de seu presidente. Isso porque estão muito avançadas as articulações para que essa convenção ocorra entre agosto e setembro deste ano, em vez de maio de 2018, como estava inicialmente prevista antes da delação da JBS.
O grupo político do governador Geraldo Alckmin (SP) apresentou uma proposta para que a Executiva ganhe representantes dos governadores e prefeitos do partido. O que está por trás disso é uma tentativa do tucano de ampliar sua influência.
O prefeito de São Paulo, João Doria, também concorda com a renovação antecipada e ampliada para todas as instâncias partidárias. "Considero a ideia correta e democrática. A Executiva do partido deve reproduzir sua força legislativa e executiva", disse ao Estado. O representante dos prefeitos seria Doria e dos governadores, Marconi Perilo (GO), também aliado de Alckmin.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.
Solicitamos não incluir hiperligações (links) ou qualquer código HTML;
comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos.
Muito obrigado. Infonavweb