Publicidade

sábado, 24 de junho de 2017

Arábia Saudita impede ataque a bomba em Meca, local sagrado do Islã

Policiais invadem edifício onde estava homem-bomba; houve troca de tiros, que teria provocado explosão

© Ahmed Jadallah / Reuters
As autoridades da Arábia Saudita anunciaram neste sábado (24) que impediram um atentado terrorista em Meca, cidade sagrada para os muçulmanos.

Na sexta-feira (23), um homem-bomba foi identificado antes de realizar o ataque e, ao ser cercado pela polícia, explodiu a carga que portava, segundo relato do governo saudita.
Os policiais invadiram o edifício onde o homem-bomba estava entrincheirado, mas ele "começou a disparar contra as forças de segurança, o que provocou uma troca de tiros e depois ele provocou a explosão", explicou o porta-voz do ministério do Interior, o general Mansur Al-Turki.
Com a detonação, houve o desabamento parcial de um prédio de três andares. Onze pessoas -seis peregrinos estrangeiros e cinco policiais- ficaram feridas. Dois peregrinos estrangeiros permanecem hospitalizados e os outros quatro receberam alta.
"As forças de segurança frustraram uma ação terrorista iminente contra a segurança da Grande Mesquita e seus fiéis", afirmou Al-Turki.
Segundo porta-voz saudita, o homem-bomba integrava um "grupo terrorista" estabelecido em Meca e Jidá, a capital econômica do país. Cinco membros do grupo, incluindo uma mulher, foram detidos.
Milhares de peregrinos estavam na Grande Mesquita para celebrar a última sexta-feira do Ramadã, o mês do jejum muçulmano.
Meca, na Arábia Saudita, recebe mais de um milhão de peregrinos a cada ano. Visitar a cidade ao menos uma vez na vida é uma das regras do Islamismo.
O ataque foi condenado por vários países, entre eles Catar e Irã, rivais da Arábia Saudita.
O Catar expressou solidariedade com "o irmão saudita" em um comunicado do ministério das Relações Exteriores, apesar da profunda crise diplomática entre os dois países, desde que a Arábia Saudita passou a acusar o Catar de "apoiar o terrorismo".
O Irã, que também tem uma relação tensa com a Arábia Saudita, condenou o ataque e afirmou que está disposto a "cooperar" na luta contra os "traficantes de morte".
A Al-Azhar, a principal instituição do islã sunita com sede no Egito, condenou o atentado e expressou apoio a Riad "na luta contra o terrorismo até sua erradicação".
O porta-voz do governo indicou que o grupo terrorista queria atacar "o local mais sagrado" dos muçulmanos, com um "plano liderado do exterior com o objetivo de atentar contra a segurança e a estabilidade" do reino saudita.
O general Mansur Al-Turki, no entanto, não citou nenhum país em particular.
Também recordou que "várias células terroristas foram desmanteladas nos últimos dois anos em Meca e seus arredores", acrescentando que seu objetivo era "testar a capacidade (das autoridades) do reino de garantir a segurança dos peregrinos".
Este foi o segundo ataque em menos de um ano contra um local sagrado do islã na Arábia Saudita.
Em julho de 2016, um ataque perto da mesquita de Maomé em Medina, o segundo lugar mais sagrado do Islã, matou quatro guardas.
Em 20 de novembro de 1979 foi registrado um grande atentado em Meca, quando muçulmanos sunitas ocuparam a Grande Mesquita. Após 14 dias, as autoridades ordenaram uma operação para expulsar os agressores e 333 pessoas morreram, segundo o balanço oficial. Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.
Solicitamos não incluir hiperligações (links) ou qualquer código HTML;
comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos.
Muito obrigado. Infonavweb