Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

domingo, 11 de junho de 2017

Donos venderam R$ 10 mi em ações da JBS antes de divulgação da delação

No dia 16 de maio, eles negociaram 985 mil papéis da empresa a R$ 10,11

© Reuters
Às vésperas da divulgação da delação premiada que atingiu o presidente Michel Temer, os acionistas controladores da JBS venderam R$ 10 milhões em ações da companhia.

No dia 16 de maio, eles negociaram 985 mil papéis da empresa a R$ 10,11. Os controladores da JBS são a FB Participações, holding da família Batista, e o Banco Original, que também pertence aos fundadores do maior produtor de proteína animal.
A delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista foi revelada pelo jornal "O Globo" no fim da tarde do dia seguinte, após o fechamento da Bolsa de São Paulo. No dia 18 de maio, as ações da empresa desabaram 10,5% -desde então, elas perderam 23,4% do seu valor, cotadas a R$ 7,28.
As vendas dos papéis também aconteceram no dia 17, mas foram acompanhadas de recompras das ações. As operações praticamente se anularam: as vendas somaram R$ 35,1 milhões, e as compras, R$ 35,6 milhões.
Os donos da empresa voltaram a se desfazer dos ativos após a revelação da delação, nos últimos três dias do mês passado. Elas somaram R$ 105 milhões.
As negociações de papéis pelos donos da JBS, assim como operações no mercado de câmbio às vésperas da delação dos irmãos Batista, estão sendo investigadas pela Polícia Federal e pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).
Em abril, os controladores do frigoríficos venderam o equivalente a R$ 242 milhões em ações da empresa, a primeira operação desse tipo em mais de um ano. Na ocasião, eles já haviam fechado acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República.
Na sexta-feira (9), a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão na sede da JBS, em São Paulo. Batizada de Tendão de Aquiles, a operação apura o suposto uso indevido de informações privilegiadas pela JBS e por sua controladora, a FB Participações, no mercado financeiro. Foram apreendidos documentos, mídias, celulares e informações de HDs.
OUTRO LADO
Em nota na sexta-feira (9), a JBS afirmou que as empresas entregaram os materiais e documentos solicitados pela Polícia Federal e que segue está à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos.
Sobre a compra e venda de moedas, ações e títulos, diz que as operações realizadas pela J&F, suas subsidiárias e seus controladores foram feitas dentro da lei. Sobre as operações de câmbio, afirma que gerencia "de forma minuciosa e diária" a sua exposição cambial e de commodities.
"A empresa tem como política a utilização de instrumentos de proteção financeira visando, exclusivamente, minimizar os seus riscos cambiais", afirmou. Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb