Publicidade

terça-feira, 27 de junho de 2017

Funai virou 'balcão de negócios', diz ex-presidente do órgão

Antônio Fernandes Costa também afirmou que Brasil não tem políticas indígenas

© Marcelo Camargo/Agência Brasil
O ex-presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Antônio Fernandes Costa, criticou duramente a falta de uma política governamental no Brasil para as populações indígenas, o que também torna a própria fundação um mero “balcão de negócios”, segundo ele.

O ex-presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Antônio Fernandes Costa, criticou duramente a falta de uma política governamental no Brasil para as populações indígenas, o que também torna a própria fundação um mero “balcão de negócios”, segundo ele.
Costa elogiou as ONGs internacionais que buscam cumprir o papel que o Estado brasileiro não cumpre e chamou a atenção para as omissões recorrentes na esfera governamental, a começar pelo Ministério da Agricultura, voltado apenas ao agronegócio e sem, por exemplo, interesse em uma política à agricultura familiar indígena.O que esse ministério faz pra desenvolver as terras indígenas que são produtivas, para que haja sustentabilidade naquelas terras? É zero de investimentos, no máximo emendas parlamentares”, afirmou o ex-presidente da Funai, que deixou o cargo recentemente, após um violento confronto entre índios e fazendeiros no Maranhão.
Ele revelou que governo estrangeiros possuem interesse em investir em pautas indígenas, como acontece costumeiramente em outras áreas, como a do meio ambiente. Porém não o fazem porque “não existe nenhuma política de fato” por parte do governo federal.
Costa ainda manteve o tom adotado na sua saída da Funai – organismo este “sucateado”, segundo ele –, reafirmando que foi alvo de “uma forte pressão” do líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE).
A atual situação é desastrosa na área indígena e pode criar sérios conflitos sociais, devido a esta ingerência política”, comentou, dizendo ainda que o objetivo final da atual ausência de política indígena é desmantelar de vez a Funai – cenário que já existia no governo Dilma Rousseff (PT), por acordos com os ruralistas, e que se aprofunda com Michel Temer (PMDB).
Ele ainda aproveitou a oportunidade para rebater o motivo da sua demissão (“falta de competência gerencial”, segundo o governo). “Se ser incompetente é não concordar com malfeitos, então serei sempre incompetente”, sentenciou. (Sputnik)
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.
Solicitamos não incluir hiperligações (links) ou qualquer código HTML;
comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos.
Muito obrigado. Infonavweb