Publicidade

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Papa critica 'excesso' de desigualdades sociais na América Latina

Pontífice pediu que 'cultura do diálogo' permaneça no continente

© REUTERS/Tony Gentile
O papa Francisco falou sobre a situação da América Latina nesta sexta-feira (30) durante uma audiência pelo 50º aniversário do Instituto Ítalo-Latino Americano (Iila) e criticou o "excesso de desigualdades" que existem no continente.

Segundo o Pontífice, a "atual crise econômica e social atingiu a população e produziu um aumento da pobreza, do desemprego, das desigualdades sociais assim como a exploração e o abuso de nossa 'casa comum' [o meio-ambiente]".   
"Perante essa situação, há a necessidade de uma análise que leve em conta a realidade concreta das pessoas, a realidade de nosso povo. Isso ajudará a perceber quais são as necessidades reais que existem, bem como perceber a riqueza que cada pessoa tem e que cada povo leva consigo", disse aos membros do Iila.   
O Papa argentino destacou que o continente latino-americano tem países com "riqueza de histórias, cultura e recursos naturais" e disse que as populações locais são formadas por "pessoas boas e solidárias com outros povos".   
Citando as recentes tragédias naturais que atingiram, por exemplo, a Colômbia e o Chile, Francisco ressaltou que os latino-americanos "deram um exemplo a toda a comunidade internacional" na solidariedade demonstrada nesses momentos e que isso deve ser "apreciado e potencializado".   
No entanto, ele fez um apelo para que a "cultura do diálogo", um dos temas de seu Pontificado, seja usada para resolver as graves crises que atingem as nações locais e criticou a corrupção existente.   
"Alguns países estão atravessando momentos difíceis em níveis políticos, sociais e econômicos. Os cidadãos que têm menos recursos são os primeiros a perceber a corrupção que existe em diversos estratos sociais e a má distribuição das riquezas. Mas, a promoção do diálogo político é essencial", acrescentou o sucessor de Bento XVI.   
Jorge Mario Bergoglio ainda pediu que esse diálogo não seja "entre pessoas surdas", que só queiram falar e não ouçam o que os outros tem a oferecer para o crescimento de todos. "É uma troca de confiança recíproca, que sabe que do outro lado há um irmão com a mão estendida para ajudar, que deseja o bem para ambos e quer reforçar as ligações de amizade e fraternidade para progredir nos caminhos da justiça e da paz", disse.   
O líder católico ainda falou sobre a emigrações e pediu que as pessoas que vivem esse "drama" tenham seus direitos respeitados por todos.   
"A emigração sempre existiu, mas nos últimos anos aumentou de uma maneira nunca vista antes. A nossa gente, impulsionada pelas necessidades, vai em busca de 'novos oásis', onde pode encontrar mais estabilidade e um trabalho que garanta dignidade. Mas, nessa busca, muitas pessoas sofrem violações dos próprios direitos", afirmou. (ANSA)
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.
Solicitamos não incluir hiperligações (links) ou qualquer código HTML;
comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos.
Muito obrigado. Infonavweb