Publicidade

Postagem em destaque

Estupros de rohingyas em Myanmar são 'metódicos', diz estudo

Estudo mostrou abusos contra mulheres e crianças © REUTERS/Damir Sagolj O Exército do Myanmar utiliza ações "radicais" e ...

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Para Planalto, decisões sobre Aécio e Loures ajudam Temer na crise

Pela manhã, o ministro Marco Aurélio negou a prisão e devolveu o mandato ao senador Aécio Neves. Pela tarde, Fachin mandou soltar Rocha Loures

© Valter Campanato/Agência Brasil
No final de uma semana considerada difícil pelo Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer conseguiu nesta sexta-feira (30) o que considera passos importantes a seu favor na crise política.

No mesmo dia, dois aliados do peemedebista obtiveram vitória no STF (Supremo Tribunal Federal), o que, para auxiliares e assessores presidenciais, pode ajudar o presidente a barrar denúncia contra ele por corrupção passiva.
Pela manhã, o ministro Marco Aurélio negou a prisão e devolveu o mandato ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), um dos fiadores do apoio do PSDB à gestão peemedebista.
À tarde, o ministro Edson Fachin decidiu libertar o ex-assessor presidencial Rodrigo Rocha Loures, sobre o qual havia o receio do presidente de que ele fechasse acordo de delação premiada para deixar a prisão.
Na avaliação de integrantes do governo, as decisões dão sinalizações ao Congresso de que faltam provas às denúncias feitas pela PGR (Procuradoria-Geral da República) e que elas são "contra a classe política".
Além disso, acreditam que o retorno de Aécio ao Senado poderá ajudar na permanência do PSDB na Esplanada dos Ministérios e a evitar traições do partido na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), que analisará denúncia contra Temer a partir da semana que vem.
Como a Folha mostrou, seis do sete tucanos que integram a CCJ votar contra o presidente. A comissão parlamentar é a primeira instância de tramitação da denúncia contra o peemedebista, que depois vai ao plenário.
A ideia do presidente é votar em plenário nos dias 13 ou 14 de julho, antes do recesso parlamentar, a partir de 18 de julho.
Pelo calendário esboçado pelo Palácio do Planalto, a defesa do peemedebista utilizaria no máximo três sessões para se pronunciar na CCJ, permitindo que já na quinta-feira (6) começasse o prazo de discussão e aprovação do parecer.
Para garantir a presença de deputados governistas nas segundas-feiras, o peemedebista convocará reuniões com líderes aliados nos domingos à noite, no Palácio da Alvorada. Com informações da Folhapress. 
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb