Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

quinta-feira, 22 de junho de 2017

PM e guardas cercam novo ponto de usuários de crack

Helicóptero da polícia também sobrevoa constantemente a região, entre as ruas Helvétia e Cleveland

© Reuters / Paulo Whitaker
O endereço da nova cracolândia de São Paulo, entre as ruas Helvétia e Cleveland, no centro, deixou os usuários encurralados num espaço pequeno, localizado numa praça quase em frente à estação Júlio Prestes e bem perto da rua Dino Bueno, local que abrigou a feira livre de drogas por décadas.

A PM e a Guarda Civil Metropolitana cercam o local com carros. Helicóptero da polícia também sobrevoa constantemente a região.Sem muito espaço, os usuários estão deitados no chão e a típica circulação, o chamado fluxo, na nova cracolândia, quase não se via no final da manhã desta quinta-feira (22).
O novo êxodo de usuários ocorreu no final da noite desta quarta-feira (21). Eles deixaram o bosque da praça Princesa Isabel, também no centro, e foram para uma pequena praça. Segundo a polícia, a migração ocorreu de forma espontânea. Mas agentes de saúde disseram à reportagem que o PCC (Primeiro Comando da Capital) teria ordenado a mudança.
Ainda segundo os agentes de saúde, os dependentes químicos estavam se sentindo incomodados com uma ação da prefeitura na praça Princesa Isabel, que despejava água no bosque e formava muita lama -medida para afastar os usuários do local.
SUPERLOTAÇÃO
A nova cracolândia se estabeleceu ao lado das estruturas de atendimento de programas antidrogas, como o Recomeço, do Estado, e o Braços Abertos, da prefeitura.
O galpão do Braços Abertos está superlotado. Sob um teto de zinco, os usuários ocuparam com colchões o espaço que conta com uma TV.
Do lado de fora do galpão, a reportagem contou ao menos mais 15 usuários deitados em colchões.
No local, os dependentes se alimentam, descansam, tomam banho e são constantemente abordados por agentes que os convidam para tratamento contra o vício.
Do lado de fora do galpão, na rua Helvétia, mais assistentes sociais jogavam futebol com crianças e usuários e batucavam tambores. Uma estratégia para atrair os usuários ao tratamento.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb