Publicidade

terça-feira, 27 de junho de 2017

Robôs ajudarão EUA a ultrapassar escassez de pilotos militares

A companhia re2 Robotics foi contratada para desenvolver um robô-piloto capaz de transformar caças e outros aviões em aeronaves não-tripuladas

© Reprodução
A Força Aérea dos Estados Unidos investiu 1,5 milhão de dólares (R$ 4,9 milhões) no desenvolvimento de um sistema robótico para substituir os pilotos das aeronaves militares.

A companhia re2 Robotics foi contratada para desenvolver um robô-piloto capaz de transformar caças e outros aviões em aeronaves não-tripuladas, sem necessidade de qualquer alteração na estrutura dos aviões. O novo robô, além disso, deve poder ser treinado através de simuladores de voo.
Nos últimos anos, a Força Aérea norte-americana sofre uma grave escassez de pilotos, destaca Vasily Sychyov em um artigo para o portal N Plus 1. O uso de robôs na pilotagem de aviões para substituir os pilotos terá lugar, primeiramente, na realização de tarefas que não requerem a participação ativa em combates, como é o caso das aeronaves de transporte, por exemplo.
O piloto robótico que está sendo desenvolvido pela re2 Robotics deverá ser apresentado já no próximo ano. Durante a fase de testes, realizados em simuladores de voo, o robô deverá decolar, voar, realizar tarefas específicas e pousar, de forma inteiramente autônoma.
Outra empresa americana, a Aurora Flight Sciences, também trabalha atualmente na criação de um sistema robótico capaz de lidar com um helicóptero ou avião. No entanto, o projeto, batizado como ALIAS, tem o objetivo de auxiliar o piloto e não substituí-lo.
O uso de robôs para substituir os humanos na condução de vários aparelhos também está sendo realizado na Rússia. Assim, o projeto do android Fedor prevê enviar um robô ao espaço como único tripulante da futura nave espacial russa Federatsia.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.
Solicitamos não incluir hiperligações (links) ou qualquer código HTML;
comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos.
Muito obrigado. Infonavweb