Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Sob críticas, ministério reestrutura hospitais do Rio

A meta é ampliar em 20% o atendimento em oncologia, ortopedia e cardiologia. A proposta foi criticada por entidades médicas

© DR
Em meio à crise dos hospitais federais do Rio, com extensas filas para cirurgias, emergência fechada, falta de insumos e protestos de servidores, que cobram mais contratações e a prorrogação dos contratos temporários, o Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira, 28, a reestruturação da rede federal. De acordo com o secretário de Atenção à Saúde, Francisco de Assis Figueiredo, as seis instituições se tornarão especializadas por área de atuação. A meta é ampliar em 20% o atendimento em oncologia, ortopedia e cardiologia. A proposta foi criticada por entidades médicas.

Figueiredo anunciou que os hospitais federais não terão mais filas próprias para cirurgias. A regulação será feita pela secretaria de Saúde do Estado ou do município. A rede federal passará a receber somente pacientes referenciados. Ele informou ainda que não vai haver alteração no agendamento de cirurgias, consultas e exames que já foram marcados.
O Ministério da Saúde contratou ainda consultoria do Hospital Sírio-Libanês para traçar o perfil das instituições federais no Rio - Hospitais do Andaraí, da Lagoa, de Ipanema, de Bonsucesso, Cardoso Fontes e dos Servidores do Estado. Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), Instituto Nacional de Câncer (Inca) e Instituto de Cardiologia de Laranjeiras ficam de fora.
Para o médico Jorge Darze, diretor da Federação Nacional dos Médicos, a medida é uma tentativa do ministério de driblar a falta de profissionais. A pasta já anunciou que não renovará contratos temporários - um quarto dos profissionais de saúde dos hospitais (3.226) é terceirizado. Os contratos terminam até o fim do ano.
Já o presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremerj), Nelson Nahoun, diz que a fila de cirurgia na rede federal foi fechada em 24 de abril. "A fila parou de crescer porque a rede federal mandou pacientes para a regulação do Estado e do município, mas são pessoas que até hoje não conseguem atendimento." O Cremerj ainda tem feito vistorias na rede federal com a Defensoria Pública da União. "O que temos encontrado é um desmonte."
Mudanças
Questionado, Figueiredo negou o desabastecimento na rede federal. "Não haverá suspensão de nenhum serviço, não haverá cortes e não haverá diminuição dos serviços prestados. Estamos unindo os serviços para termos uma escala maior na produção cirúrgica, clinica e na questão ambulatorial", disse.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb