Publicidade

Postagem em destaque

Novos vídeos agravam situação de Temer em meio à votação de denúncia

Esta semana será decisiva para o presidente, acusado pela Procuradoria-Geral da República de organização criminosa e obstrução de justiça ...

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Bolsa ignora Senado e recua 0,12% com desvalorização do petróleo

Retração no preço de commodities trouxe pessimismo e ofuscou a aprovação do regime de urgência para a votação da reforma trabalhista

© DR
A retração no preço de commodities trouxe pessimismo para os mercados e ofuscou a aprovação do regime de urgência para a votação da reforma trabalhista no Senado e a permissão do Congresso para uso do dinheiro de precatórios pelo governo.

A Bolsa brasileira recuou 0,12%, a 63.154 pontos. O volume financeiro foi de R$ 6,895 bilhões.
O petróleo despencou nesta quarta-feira (5) após acumular sessões consecutivas de forte alta e se aproximar dos US$$ o barril. O Brent recuou 3,91%, a US$ 47,67, enquanto o WTI cedeu 4,29%, para US$ 45,05.
Petrobras, Vale e JBS estiveram entre as principais baixas do dia.
As ações preferenciais da estatal recuaram 1,77%, a R$ 12,21, enquanto os ordinários cederam 1,95%, a R$ 13,06.
Os papéis preferenciais da Vale caíram 1,57%, para R$ 26,94. Os ordinários perderam 2,33%, a R$ 28,93.
A JBS cedeu 2,27%, a R$ 6,46.
Fora do Ibovespa, a Gol avançou 12,77%, após a empresa divulgar dados preliminares do segundo trimestre, com estimativa de crescimento de 1,5% a 2% na margem operacional ante igual período do ano passado. Os números foram considerados acima do esperado por analistas do UBS.
As Bolsas internacionais fecharam sem direção única. Em Wall Street, o índice Dow Jones fechou perto da estabilidade, a 21.478 pontos (-0,01%). O S&P 500 ganhou 0,15%, enquanto o Nasdaq subiu 0,67%.
DÓLAR
O dólar não sustentou a alta exibida na primeira etapa dos negócios e fechou a quarta-feira em queda, mas ainda rondando a casa de R$ 3,30, influenciado por fluxo vendedor de recursos e após a vitória do governo na véspera com a aprovação da urgência para a votação da reforma trabalhista no Senado.
O dólar comercial (referência para comércio exterior) cedeu 0,45%, a R$ 3,2950. O dólar à vista avançou 0,15%, a R$ 3,3080.
A inversão da trajetória do dólar ante o real teve início antes da divulgação da ata do Federal Reserve e se manteve após o documento mostrar que as autoridades do banco central dos Estados Unidos mostraram-se divididas sobre o cenário para a inflação e como ela pode afetar o ritmo futuro de altas dos juros. Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb