Publicidade

Postagem em destaque

Verba a programa contra seca no Nordeste e em MG sofre corte de 95%

Informação consta em Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) enviado pela gestão de Micher Temer ao Congresso © DR Premiado internac...

quinta-feira, 27 de julho de 2017

CBF aprova decisão de Vuaden em anular pênalti polêmico de Santos x Fla

No jogo da última quarta-feira (26), o time paulista venceu por 4 a 2, mas acabou eliminado por ter perdido o jogo de ida por 2 a 0
© Gilvan de Souza / Flamengo

O Santos enviou à CBF um pedido de anulação da partida contra o Flamengo, pela volta das quartas de final da Copa do Brasil. No jogo da última quarta-feira (26), o time paulista venceu por 4 a 2, mas acabou eliminado por ter perdido o jogo de ida por 2 a 0. A equipe alvinegra acusa uma interferência externa de Eric Faria, repórter da TV Globo, sobre a arbitragem de Leandro Vuaden.

Aos 40 minutos do primeiro tempo, o árbitro gaúcho Leandro Pedro Vuaden assinalou pênalti para os santistas após uma disputa entre Réver e Bruno Henrique na área. Contudo, após cerca de um minuto, o juiz consultou o quarto árbitro, Flávio Rodrigues de Souza, e reverteu a marcação da penalidade.
Segundo o Santos, a participação do quarto árbitro "teria sido provocada pelo repórter de campo, Sr. Eric Faria, da Rede Globo de televisão, que é elemento alheio ao certame, devendo se comportar como jornalista e não como torcedor de seu time do coração".
"Reportar ao 4º árbitro sua impressão do lance após ver replay na televisão não é função nem atitude condizente com um jornalista esportivo. Esta ação repudiável foi testemunhada por dezenas de pessoas e pode ser constatada no vídeo da partida e em fotografias tiradas por outros veículos de mídia", continua o Santos em ofício entregue à CBF.
Além da anulação do jogo, o Santos pediu à CBF a proibição de que repórteres fiquem na lateral do gramado durante os jogos e se comuniquem com a equipe de arbitragem; a punição ao trio de arbitragem da partida; e o descredenciamento de Eric Faria como repórter de campo.
Segundo apurou a reportagem, o Santos não possui nenhuma imagem que comprova a suposta interferência externa do repórter da Globo. O clube alvinegro se baseia apenas em relatos ouvidos por pessoas próximas ao banco de reservas do clube para fazer a alegação em questão.
Eric Faria, em contato com a reportagem, afirmou que não quer se pronunciar sobre o caso. No Twitter, porém, o repórter chamou de "leviana" as acusações de que teria comunicado o quarto árbitro sobre o lance.
"Alguns me acusam de ter falado com o quarto árbitro. Leviano. Mentiroso. Quem estava mais perto dele? O Levir Culpi. Cuidem de suas frustrações", escreveu.Em entrevista ao canal "SporTV", o árbitro Leandro Vuaden negou que tenha sido influenciado por uma interferência externa ao anular a marcação do pênalti contra o Flamengo.
"Que fique bem claro que não houve nenhuma interferência externa. Fico muito triste quando pessoas tentam adicionar alguma coisa ou contestar alguma decisão dizendo que houve interferência. Deixando bem claro o que aconteceu, no deslocamento houve um contato, e de forma tardia, acabo assinalando. Não estou 100% convicto, mas optei por tomar a decisão. A partir daí, houve um protesto, também estou com dúvida. Qual recurso que tenho? Por mais distante que esteja, o ângulo de visão do quarto árbitro é melhor que o meu. O que eu fiz, o que o futebol espera que seja feito, foi buscar uma informação no árbitro", disse.
"Houve, de repente, precipitação minha em marcar. Faço mea-culpa. Poderia listar várias partidas em que acabei não marcando, acabei marcando. Isso como árbitro me deixa muito chateado, porque haveria uma interferência no jogo. Mas estou com a consciência tranquila, com sensação do dever cumprido, que é a mais importante. Não adianta querer atribuir a algum repórter. Foi exatamente isso que aconteceu", completou.
A CBF aprovou a não marcação do pênalti. Em seu site oficial, a entidade máxima do futebol brasileiro disse não ter tido "nada a marcar" no lance.
"Um jogador pode proteger a bola colocando-se entre um adversário e a bola desde que a bola se encontre em distância de disputa e o jogador não seja segurado com os braços ou corpo. Segue o jogo. Nada a marcar. Tiro de canto", disse a CBF. Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb