Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Especialistas explicam a falta de adesão em atos contra Temer

Confira a opinião de três cientistas políticos sobre o assunto

© Reuters
A rejeição contra a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff era de 64% às vésperas do impeachment. Já a do governo Temer chega a 69%, segundo a última pesquisa do Datafolha. Apesar disso, a quantidade de pessoas em manifestações contra o atual presidente é significativamente menor.

Para esclarecer o fenômeno, a revista 'Exame' conversou com três cientistas políticos: Cícero Romão, da USP; Paulo Baía, da UFRJ; e Dawisson Lopes, da UFMG.
A hipótese de Cícero Romão é que o que fez manifestantes lotarem as ruas durante o governo Dilma não foram tanto as críticas contra sua gestão, e sim um sentimento negativo contra o PT, em geral.
“Se fosse contra a corrupção, as mesmas pessoas estariam nas ruas contra o governo Temer também. Acho que na verdade, as classes médias, que normalmente vão às ruas, são muito mais tolerantes a um governo antipetista, qualquer que seja”, disse.
O Dawisson Lopes, da UFMG, acredita que muitos manifestantes tem medo da violência policial. Segundo uma sondagem do grupo de Pesquisas em Inteligência de Mercado da Abril, em parceria com a MindMiners, 43% responderam que tem medo da resposta policial.
Segundo o especialista, a intervenção da polícia não era tão comum nas manifestações contra a ex-presidente Dilma, mas é frenquente em atos contra Temer.
Já o professor Paulo Baía acredita que a população está cansada. “O quadro de corrupção não muda com os protestos, e as pessoas acabam exercendo uma revolta individualizada”, opina Baía.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb