Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

domingo, 23 de julho de 2017

Indústria e expansão do agronegócio criam empregos no interior

Entre admissões e demissões, o interior criou no primeiro semestre mais de 180 mil vagas com carteira de trabalho

© DR
O impacto da crise nas grandes cidades, aliado ao bom desempenho do campo, fez aumentar nas regiões mais ricas a oferta de empregos no interior, que já representa quase metade das vagas de trabalho formais do país.

Entre admissões e demissões, o interior criou no primeiro semestre mais de 180 mil vagas com carteira de trabalho, mais que compensando o saldo negativo das regiões metropolitanas, que perderam 154 mil vagas, segundo o Ministério do Trabalho.
Essa expansão, apesar de se concentrar na agropecuária, ocorreu também em outros setores, de acordo com dados colhidos pela reportagem no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).
A indústria, que eliminou 30 mil vagas nas grandes cidades, criou 56 mil nas regiões mais remotas neste ano. Os serviços perderam 19 mil empregos nas áreas metropolitanas, mas criaram 62 mil no interior, segundo o Caged.
Essa diferença pode ser explicada principalmente pelo boom do campo e seu efeito sobre outros setores. A safra brasileira de grãos deve atingir cerca de 240 milhões de toneladas, mais de 30% do que foi registrado no ano passado.
"O impacto indireto da agricultura nessas cidades menores é enorme. A renda é gasta no comércio de móveis, na loja de agrotóxicos, em caminhões e imóveis. E isso gera mais vagas", diz Anselmo Luis dos Santos, da Unicamp.
O especialista lembra que o emprego na indústria do interior tende a sofrer menos pois há um movimento, nas últimas décadas, de migração de empresas em busca dos custos mais baixos oferecidos pelas cidades menores.
Em Franca, a 400 km de São Paulo, Alessandro Aparecido Amaral, 17, concluiu o ensino médio e conseguiu o primeiro emprego depois de seis meses de busca –uma vaga de auxiliar de produção numa fábrica de calçados.
"A gente só via o pessoal demitindo, e, no meu caso, a falta de experiência também pesava. Agora parece que começou a melhorar a situação. Pelo menos com o calçado a gente vê isso", diz Amaral.
Das 6.000 vagas formais geradas neste ano até junho em Franca, de acordo com o Ministério do Trabalho, ao menos 4.200 surgiram no polo industrial calçadista.
"As cidades do interior se desenvolveram e começaram a oferecer serviços que antes só estavam disponíveis nas grandes cidades", diz o economista-chefe da consultoria MB Associados, Sergio Vale.
Segundo ele, o ganho de renda se reflete na produtividade: "A alta na renda ajuda no aumento não só da qualidade de vida mas da qualificação geral da população, o que atrai novas empresas e vira um ciclo virtuoso de expansão dessas economia".
Nos grandes centros urbanos, por outro lado, a crise eliminou vagas em seis dos oito setores acompanhados pelo Ministério do Trabalho.
Dados do Caged mostram que no primeiro semestre deste ano apenas três capitais –Goiânia, Cuiabá (MT) e Boa Vista (RR)– geraram empregos com carteira assinada.
Os dados do Caged dizem respeito apenas a trabalhadores com carteira assinada e por isso representam uma fatia pequena da força de trabalho –cerca de um terço dos que estão ocupados têm registro formal, segundo o IBGE.
Não entram nessa conta os que estão na informalidade, funcionários públicos e autônomos. Somados, informais e autônomos representam um terço da força de trabalho. Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb