Publicidade

Postagem em destaque

Disney compra a Fox; entenda o que isso significa

O acordo inclui 39% das ações da Fox sobre a Sky, na Europa, além dos canais pagos FX e National Geographic, e ainda abocanha a Hulu © L...

terça-feira, 18 de julho de 2017

Líder colombiano se distancia de Maduro e pede fim da Constituinte

Presidente Juan Manuel Santos era um dos últimos aliados da Venezuela

© Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Um dos últimos aliados da Venezuela na região, a Colômbia vem dando sinais cada vez mais claros de afastamento do regime de Nicolás Maduro, tanto de parte do governo como da oposição.

O presidente Juan Manuel Santos, que passou os últimos três anos tratando de não fazer críticas diretas ao mandatário do país vizinho -afinal, Maduro teve papel-chave nas negociações e na conclusão do acordo de paz colombiano com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)- voltou à carga nesta semana, pedindo que o colega "desmonte a Constituinte e busque uma solução negociada com a oposição".

Santos já havia pedido que Maduro desistisse da eleição da Assembleia Constituinte, programada para o próximo dia 30. Em resposta, Maduro vem confrontando Santos, dizendo que, se este seguir com essa campanha, o venezuelano poderia colocar entraves à implementação do acordo de paz com a ex-guerrilha.
Em sua visita a Raúl Castro, em Havana, na segunda-feira (17), Santos pediu ao cubano que interceda junto a Maduro para que desista da Constituinte e inicie diálogos com a oposição.
DENÚNCIA EM HAIA
Enquanto isso, liderados pelo principal pré-candidato da oposição às eleições presidenciais da Colômbia no ano que vem, o senador Iván Duque, apadrinhado por Álvaro Uribe, entregou nesta terça-feira (18), uma denúncia contra o líder venezuelano na Corte Penal Internacional de Haia.
O documento, elaborado por congressistas colombianos, ligados ao Centro Democrático (partido de Uribe), e chilenos, da aliança Chile Vamos, de direita, afirma que o regime venezuelano vem cometendo vários delitos listados pelo Estatuto de Roma.
"Entre eles o assassinato, a deportação e o transporte à força de oposicionistas, prisões e privações injustas de liberdade, tortura e perseguição, além da desaparição de pessoas", diz o texto do documento.
Para Duque, "os governos da América Latina estão dizendo palavras muito bonitas nos salões de encontros multinacionais, mas na prática não vêm fazendo nada".Junto ao deputado chileno Felipe Kast, derrotado por Sebastián Piñera nas primárias presidenciais, Duque afirmou que esse bloco de parlamentares dos dois países iria acompanhar e observar a resposta da Corte, pedindo que esta "abra o mais rápido possível uma investigação formal a Maduro". Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb