Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Ministros de Temer são investigados por relação com a JBS

Entre as punições possíveis para os investigados estão a advertência e recomendação de exoneração

© Reuters / Ueslei Marcelino
O presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, Mauro Menezes, abriu nesta segunda-feira (3) um processo para investigar a conduta de seis autoridades e ex-autoridades ligadas ao governo federal, com base na delação da JBS.

Entre os investigados estão dois ministros do presidente Michel Temer (PMDB): Gilberto Kassab (PSD), da Ciência e Tecnologia, e Marcos Pereira (PRB), da pasta de Desenvolvimento, Indústria e Comércio.
Também serão investigados os ex-ministros Guido Mantega, Geddel Vieira Lima e Fernando Pimentel, além do atual vice-presidente corporativo da Caixa Econômica Federal, Antônio Carlos Ferreira.
As medidas foram definidas em uma reunião extraordinária do colegiado, realizada na manhã desta segunda-feira. Os citados serão intimados e terão um prazo de dez dias para prestarem esclarecimentos.
Entre as punições possíveis para os investigados estão a advertência e recomendação de exoneração, caso o investigado esteja no governo; e censura pública para ex-autoridades (uma espécie de mancha no currículo).
JBS
As investigações da comissão tomam por base as delações premiadas firmadas pelos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo J&F – que detém no seu portfólio a JBS – e pelo executivo do grupo, Ricardo Saud, junto à Procuradoria-Geral da República (PGR).
Kassab teria recebido, ilegalmente, R$ 350 mil por mês de companhias por meio de notas frias enquanto ministro nos governos Dilma Rousseff (Cidades) e Temer (Ciência e Tecnologia). Uma delas seria uma empresa transportes comprada pelo conglomerado J&F. Outra teria sido a empresa de consultoria de propriedade de seu irmão.
Já o ministro Marcos Pereira teria recebido R$ 500 mil por mês da J&F para facilitar linhas de financiamento na Caixa Econômica Federal, com o auxílio do vice-presidente corporativo do banco, Antônio Carlos Ferreira. O procedimento contra Pereira e Ferreira será conjunto na comissão. Com informações do Sputnik Brasil.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb