Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Muitos queriam fim do governo Dilma e não da corrupção, diz procurador

Carlos Fernando dos Santos Lima criticou entrevista do vice-presidente da Câmara dos Deputados, que defendeu um "prazo de validade" para a operação

© Reuters
Em mensagem publicada em sua rede social, o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato, afirmou nesta segunda-feira, 24, que 'o próximo passo do PMDB' parece ser acabar com a investigação.


Carlos Lima reagiu à entrevista do vice-presidente da Câmara dos Deputados e substituto imediato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), ao jornal O Estado de S. Paulo, na qual o parlamentar defendeu um "prazo de validade" para a Lava Jato.
O procurador afirmou que "as investigações vão continuar por todo o País".
"Acabar com a Lava Jato. Esse parece ser o próximo passo do PMDB. Infelizmente muitas pessoas que apoiavam a investigação só queriam o fim do governo Dilma e não o fim da corrupção. Agora que Temer conseguiu com liberação de verbas, cargos e perdão de dívidas ganhar apoio do Congresso, o seu partido deseja acabar com as investigações. Mas, mesmo com todas as articulações do governo e de seus aliados, as investigações vão continuar por todo País", escreveu.
Na entrevista, Fabio Ramalho afirmou que "o Brasil não vai aguentar isso para o resto da vida". "Ela (Lava Jato) não pode ser indeterminada. Ela já fez o seu trabalho", disse o deputado.
"Defendo a Lava Jato, mas tem de ter prazo de término. O Brasil não vai aguentar isso o resto da vida. Além da corrupção, tem de se avançar na desburocratização do País, na segurança jurídica do País, nas reformas."
Questionado sobre qual seria o prazo para a Lava Jato terminar, o deputado declarou. "Determina um tempo: seis meses."
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb