Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Temer investe em PSDB para conseguir maioria simples na CCJ

Pelos cálculos do Palácio do Planalto, o presidente teria 30 de 66 votos na comissão

© Marcos Corrêa/PR
Com dificuldades de conseguir o apoio de uma maioria simples na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), o presidente Michel Temer aumentou ofensiva sobre o PSDB, principal partido da base aliada e cuja maioria dos parlamentares tem evitado declarar apoio público ao peemedebista.

Nesta quarta-feira (5), repetindo estratégia de promover audiências com deputados indecisos, o presidente se reuniu pela manhã com Elizeu Dionizio (PSDB-MS) e, no meio da tarde, marcou encontro com Silvio Torres (PSDB-SP).
Os dois são titulares da comissão parlamentar e, em enquete promovida pela Folha de S.Paulo, não responderam como votarão em plenário sobre denúncia contra o presidente por corrupção passiva.
Pelos cálculos do Palácio do Planalto, o presidente teria 30 de 66 votos na CCJ, menos do que a maioria simples de 34 votos para aprovar um relatório favorável ou derrubar um desfavorável a ele.
No total, o PSDB tem sete parlamentares na comissão, dos quais três já se pronunciaram a favor da denúncia e os outros quatro não manifestaram ainda como votarão.
O esforço do Palácio do Planalto tem sido o de conseguir o apoio dos quatro indecisos, garantindo, pelo menos, maioria simples na CCJ.
Na terça-feira (4), o presidente se encontrou com seis titulares da comissão parlamentar, entre eles Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que disse não saber como votará em enquete da Folha de S.Paulo.
Além dos tucanos, o presidente marcou nesta quarta-feira (5) audiências com outros três deputados governistas, dois deles indecisos: Luis Tibé (PTdoB-MG) e Roberto de Lucena (PV-SP).
A meta da gestão peemedebista é tentar conseguir pelo menos 42 votos, considerada uma margem de apoio segura caso ocorram traições de última hora.
Para auxiliares e assessores presidenciais, no entanto, dificilmente o Palácio do Planalto conseguirá mais de 38 votos.
A conquista de uma maioria simples é considerada essencial pelo presidente para conseguir levar a plenário um relatório favorável à sua continuidade no cargo. 
Caso a denúncia seja apoiada em plenário por pelos menos 342 dos 513 parlamentares, o STF (Supremo Tribunal Federal) é autorizado a analisar a acusação formal contra o presidente.
Se ele abrir o processo, o presidente é afastado por até 180 dias. Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb