Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Defesa pede a Fachin para não incluir Temer em inquérito do quadrilhão

Para Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, a PGR está "inovando" e usando um "artifício" para investigar o presidente sem que haja fatos novos que justifiquem a medida

© Wilson Dias/Agência Brasil
A defesa do presidente Michel Temer pediu nesta sexta-feira (4) ao ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), que negue a inclusão do peemedebista no inquérito que investiga o chamado PMDB da Câmara.

Para o advogado de Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, a PGR (Procuradoria-Geral da República) está "inovando" e usando um "artifício" para investigar o presidente em outro procedimento sem que haja fatos novos que justifiquem a medida.
Mariz também pede que, caso venha a ser tomado novo depoimento do presidente, as perguntas sejam formuladas por Fachin, e não pela Polícia Federal, como foi em junho, "evitando-se a apresentação de um novo interrogatório totalmente descabido, impossível de ser respondido, como aquele formulado pela autoridade policial".
Na quarta (2), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a Fachin para deslocar a apuração sobre Temer por suspeita de envolvimento em organização criminosa do inquérito da JBS, aberto em maio, para outro mais antigo, que investiga políticos do PMDB e aliados -o chamado "quadrilhão".
Janot também pediu a inclusão dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) no inquérito do "quadrilhão", atendendo a recomendação da Polícia Federal.
A estratégia da PGR é deixar no inquérito da JBS somente a investigação de obstrução da Justiça -em que Temer é suspeito de ter dado aval para o frigorífico comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do doleiro Lucio Funaro, que estão presos.
Em junho, relatório da PF concluiu a investigação de obstrução da Justiça e afirmou que há indícios de que Temer cometeu o crime, cuja pena vai de 3 a 8 anos de prisão.
Desse modo, a PGR já tem elementos para, no inquérito da JBS, apresentar uma nova denúncia contra o presidente sob acusação de embaraçar as investigações.Janot, no pedido para deslocar para o inquérito do "quadrilhão" a investigação de organização criminosa, disse que "não se trata de nova investigação contra o presidente da República, mas apenas de readequação daquela já autorizada [por Fachin em maio]".
O advogado de Temer rebateu, afirmando que se trata, sim, de uma nova investigação. "Ora, se o presidente e outras autoridades [Padilha e Moreira Franco] não são investigadas [no 'quadrilhão'], será necessária uma específica autorização do Supremo para tanto e não mera inclusão de seus nomes ou apenas 'readequação'", argumentou Mariz na petição ao Supremo.
"Uma investigação não pode surgir do nada", afirmou o defensor, "especialmente tendo como alvo o presidente da República, em face dos óbvios transtornos advindos para estabilidade institucional, social e econômica do país".
'QUADRILHÃO'
O PMDB da Câmara é suspeito de ter atuado como uma organização criminosa que lesou a Petrobras e a Caixa. Para investigadores, Temer, que era deputado federal até assumir a Vice-Presidência em 2011, participava dos esquemas desse grupo.O inquérito que apura o grupo foi aberto em outubro passado após uma cisão do "inquérito-mãe" da Lava Jato, que tratava do loteamento de cargos na direção da Petrobras por PP, PT e PMDB.
A parte do PMDB virou dois inquéritos: um do Senado e outro, da Câmara. Nesse, há 15 investigados, entre eles os ex-deputados Henrique Alves (RN) e Solange Almeida (RJ) e o deputado Aníbal Gomes (CE), todos do PMDB, além de Cunha e do doleiro Funaro.
Com informações de diferentes operações, como Sépsis, Cui Bono e Greenfield, a investigação expandiu seu foco da Petrobras para a Caixa.
Segundo um resumo do inquérito assinado em junho pelo delegado Marlon Cajado, a PF reuniu indícios de que o grupo indicava vice-presidentes da Caixa para "vender facilidades" a grandes empresas que buscavam empréstimos. Em troca, ganhava um percentual.
"A partir das inquirições de Lucio Funaro e Joesley Batista [da JBS], surgiram novos relatos confirmando as atuações do chamado 'PMDB da Câmara' junto à Caixa e citando o suposto envolvimento de outras pessoas [...], sendo elas o presidente Michel Temer, o ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco", segundo a investigação da PF. Com informações da Folhapress.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb