Publicidade

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Justiça: França terá que abrir centros para imigrantes perto de Calais

Na semana passada, a ONG Human Rights Watch pressionou a França a acabar com o que descreveu como violência policial recorrente contra migrantes

©  REUTERS/Pascal Rossignol
O governo francês fornecerá água e banheiros a migrantes em Calais e abrirá dois centros de acolhimento numa área fora da cidade. A decisão ocorreu horas depois que, nesta segunda (31), um tribunal ordenou que se encerrasse o que chamou de tratamento desumano daqueles que tentam chegar ao Reino Unido.

Menos de um ano após o local que ficou conhecido como "a selva" -na realidade, uma grande favela próxima ao porta da cidade-, ter sido desmantelado, os migrantes voltaram ao lugar. Instituições de caridade e o órgão nacional de defesa dos direitos humanos têm feito duras críticas às condições miseráveis em que essas pessoas se encontram.
O ministro do Interior, Gerard Collomb, disse que havia de 350 a 400 migrantes ao redor de Calais. no local, já chegaram a viver cerca de 10 mil migrantes. Os dois novos centros para abrigá-los serão em Bailleul e Troisvaux.
"Nós não queremos repetir os erros do passado, mas também queremos lidar com os problemas no Cais", disse Collomb, indicando sua determinação para evitar o fornecimento de instalações que possam atrair imigrantes para a cidade, tornando-a mais uma vez uma plataforma para aqueles que tentam chegar ao Reino Unido.
O acesso à água, aos chuveiros e aos banheiros serão fornecidos na área de Calais por meio de instalações móveis, disse Collomb.
Mais cedo, o Conselho de Estado, principal tribunal administrativo da França, decidiu que o tratamento dado aos migrantes era ilegal.
"O Conselho de Estado considera que as condições de vida dos migrantes revela um fracasso das autoridades públicas, que expuseram essas pessoas a tratamentos desumanos ou degradantes", afirmou em um comunicado.
Enquanto o presidente francês, Emmanuel Macron, pediu que os migrantes sejam tratados com dignidade, seu governo se recusou a abrir um novo centro de acolhimento em Calais, afirmando que ele se tornaria um ímã para os imigrantes.
Na semana passada, a ONG Human Rights Watch pressionou a França a acabar com o que descreveu como violência policial recorrente contra migrantes em Calais. Collomb disse que haveria uma investigação sobre o comportamento dos agentes de segurança. (Folhapress)
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.
Solicitamos não incluir hiperligações (links) ou qualquer código HTML;
comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos.
Muito obrigado. Infonavweb