Publicidade

Postagem em destaque

Renan ironiza fala da PGR sobre Geddel: 'Achei que o chefe era outro'

Senador usou suas redes sociais para alfinetar o presidente Michel Temer © Waldemir Barreto/Agência Senado A procuradora-geral da R...

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Lula não influenciou Dilma em compra de caças suecos, dizem militares

Ex-presidente responde a ação por suposto tráfico de influência na compra de caças suecos no governo da sucessora

© DR
Dois militares da Força Aérea Brasileira (FAB) afirmaram que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não influenciou a ex-presidente Dilma Rousseff na compra de caças suecos, entre 2013 e 2014. A afirmação foi feita em depoimento à 10ª Vara da Justiça Federal, nesta terça-feira (1º). As informações são do G1.

O Ministério Público Federal acusa, Lula, seu filho Luiz Cláudio Lula da Silva e dois empresários de por tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa na transação investigada no âmbito da operação Zelotes.
O brigadeiro Juniti Saito, ex-comandante da Aeronáutica, contou ter acompanhado o trabalho interno para a escolha de três empresas que formavam a lista entregue ao ex-presidente, em 2010.
“O comandante bate o martelo. Foi o que aconteceu com o Gripen. Foi uma decisão do comando da aeronáutica, por melhor preço, por manutenção e transferência de tecnologia”, declarou Saito.
Ainda de acordo com o militar, a ex-presidente Dilma decidiu pela compra. O MP questionou a Saito se poderia “falar que quem bateu o martelo foi a presidente Dilma”, e o brigadeiro concordou.
O brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, comandante da Aeronáutica, seguiu a mesma versão. "Nós entregamos todo o processo no inicio de 2010, a partir daí ficou a decisão do governo. Desconheço [interferência de lula], sei que a presidente Dilma apresentou a decisão dela", disse Rossato.
Na denúncia, o MP apontou irregularidades na compra de 36 caças do modelo Gripen pelo governo . Durante as investigações, não foram encontrados indícios de que Dilma soubesse do suposto esquema.
Os empresários Mauro Marcondes e Cristina Mautoni teriam repassado cerca de R$ 2,5 milhões a Luis Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente. Relatório da Polícia Federal aponta que não houve prestação de serviço pela empresa do filho de Lula. A PF afirma também que o material produzido pela empresa era copiado de documento disponível na internet.
O advogado de Lula, José Roberto Batochio considera que o depoimento dos militares “fulmina” a suspeita de tráfico de influência por parte de Lula na escolha dos caças.
“Eles mostraram que quem optou pelo Gripen foi uma comissão da área técnica da FAB. Que a decisão não foi política. O brigadeiro disse isso com toda a clareza”, declarou.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb