Publicidade

Postagem em destaque

Com a crise, número de brasileiros que deixa o país dispara

Perfil de emigrantes é, na maioria, pessoas de 30 a 55 anos, que se mudam com a família © Steven Saphore/Reuters A quantidade de pe...

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Menino do Acre reaparece: 'Não parava de chorar', diz mãe

Mãe ainda não conseguiu rever o jovem

© Reprodução / Facebook
O estudante de psicologia Bruno Borges, de 25 anos, reapareceu na manhã desta sexta-feira (11). O jovem, que estava desaparecido desde o dia 27 de março,  retornou para casa em Rio Branco, no Acre. 


A mãe de Bruno, Denise Borges, estava no Santuário de Nossa Senhora de Aparecida, localizado em São Paulo, e ainda não conseguiu rever o filho.
"Ele já falou comigo por telefone, mas não parava de chorar. Ele me pediu perdão, disse que sentiu essa vibração e por isso voltou. Não tem vaga no avião, mas não tem problema. Nossa Senhora me atendeu", afirmou.
O secretário do Acre, Carlos Flávio Portela, indicou que o reaparecimento do jovem já era esperado. "Ele retornou. Os pais confirmaram que ele já está em casa. O inquérito que apurava o desaparecimento foi concluído há mais de um mês. Nós sabíamos que era uma questão de tempo para ele voltar", destacou.
"Não vamos ouví-lo hoje, pois esse é um momento de ele se reencontrar com a família", disse o delegado responsável pelo caso, Alcino Júnior.
De acordo com o G1, o estudante não deve ficar na casa onde morava com a família devido à procura de pessoas curiosas pelo sumiço do estudante. 
Relembre o caso: 
Uma série de fatos misteriosos envolvem a história do desaparecimento de Bruno Borges, que completou quatro meses no último dia 27. 
Foi encontrada  uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600), orçada em R$ 7 mil, no quarto do jovem. Outros 14 cadernos foram deixados no local: todos escritos à mão, perfeitamente organizados e criptografados. Alguns dos códigos foram transcritos nas paredes, no teto e no chão do local.

De acordo com a mãe, Bruno Borges disse que estava trabalhando em um projeto pelo qual precisaria de dinheiro. “Ele só me falava que estava escrevendo 14 livros que iriam mudar a humanidade de uma forma boa. Ele me pediu um ano sem trabalhar para terminar e eu, orientada por um médico, deixei”, contou.
As primeiras investigações apontaram que os amigos de Bruno ajudaram o estudante e fizeram um pacto secreto, para que o objetivo do projeto não fosse revelado.
Os cadernos foram descodificados e a família decidiu publicar o livro "TAC:Teoria da Absorção do Conhecimento" (Arte e Vida), de 191 páginas. O primeiro dos 14 livros do jovem entrou para a lista “não ficção” dos mais vendidos da semana, entre 24 e 30 do mês de julho. 
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb