Publicidade

Postagem em destaque

Com a crise, número de brasileiros que deixa o país dispara

Perfil de emigrantes é, na maioria, pessoas de 30 a 55 anos, que se mudam com a família © Steven Saphore/Reuters A quantidade de pe...

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Roberto Requião critica política fiscal de Temer

Para o Requião, o governo erra nas prioridades quando escolhe aumentar o déficit público para pagar juros da dívida e favorecer especuladores

© Agência Senado
O senador Roberto Requião (PMDB-PR) criticou, em pronunciamento, a política fiscal do governo de Michel Temer, conduzida pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. De acordo com o senador, o governo anuncia um compromisso com o equilíbrio orçamentário e com a austeridade, mas, apesar disso, anunciou um aumento no déficit público, diferença entre despesas e receitas, em 2017. O déficit previsto é de R$ 139 bilhões.

Para o Requião, o governo erra nas prioridades quando escolhe aumentar o déficit público para pagar juros da dívida e favorecer especuladores. Em vez disso, disse o senador, o gasto público poderia ser ampliado em benefício da população, com investimento em políticas de desenvolvimento da infraestrutura e de melhoria de serviços públicos como saúde, segurança pública e educação.
— É claro que o déficit considerado bom pelo governo é péssimo para a sociedade. A dívida pública cresce sem nenhum efeito sobre o crescimento da demanda e o nosso desenvolvimento. Para o povo, é dinheiro literalmente jogado fora. Serve apenas para ampliar o patrimônio dos ricos aplicado em títulos da dívida pública e concentrar renda na mão dos milionários — disse.
O senador também acusou o governo de forjar um déficit da Previdência para forçar a aprovação de uma reforma. Para ele, há uma manipulação grosseira dos orçamentos. Gastos constitucionais com o sistema de seguridade social, que deveriam ser pagos pelo tesouro, são incluídos nas contas da Previdência, como se os trabalhadores tivessem que arcar com eles. Na verdade, segundo Requião, a Previdência no Brasil é superavitária, ou seja, tem menos despesas do que gastos. Com informações da Agência Senado.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb