Publicidade

Postagem em destaque

Criptomoedas estão sendo usadas em esquemas de pirâmide, diz promotor

"Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa, onde não há lastro, não há ninguém para regular", diz espec...

terça-feira, 1 de agosto de 2017

STF derruba lei de estacionamentos após mais de 20 anos no Rio

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria de 6 a 3, serem inconstitucionais trechos de uma lei do Rio de Janeiro, datada de 1990

© DR
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria de 6 a 3, serem inconstitucionais trechos de uma lei do Rio de Janeiro, datada de 1990, que obrigavam qualquer estabelecimento comercial do estado com estacionamento a cercá-lo e a contratar vigilantes para cuidar dos carros.

Deixaram de valer também os artigos que tornavam os estabelecimentos comerciais responsáveis por indenizar o consumidor em caso de furtos ou roubos de objetos nos carros, bem como dos próprios veículos.
A ação direta de inconstitucionalidade foi aberta em março de 1991 pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), que alegou que a Assembleia Legislativa do Rio invadiu a competência exclusiva da União ao legislar sobre questões trabalhistas e sobre questões de direito civil, ligadas às indenizações.
“Você obrigar a pastelaria a ter um vigilante não faz sentido”, disse o ministro Luís Roberto Barroso, relator da ação. Ele destacou que a lei não fazia nenhuma distinção entre “o pequeno armarinho e o grande supermercado”.
Barroso acatou integralmente a argumentação da CNC, considerando que a responsabilidade de indenizar o consumidor em caso de roubo ou furto em estacionamentos já está abarcada pelo direito civil, não cabendo aos estados legislar sobre o assunto.
Votaram da mesma forma que o relator os ministros Gilmar Mendes, Luiz Fux, Rosa Weber, Marco Aurélio Mello e a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. Os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Ricardo Lewandowski divergiram.
Para Moraes, ao oferecer a opção de estacionamento ao consumidor, o estabelecimento comercial busca se diferenciar dos concorrentes com a oferta de mais um serviço. “Estamos no campo do direito do consumidor”, no qual a Assembleia Legislativa teria competência para legislar, ressaltou ele.
Os votos divergentes consideravam o pedido da CNC apenas parcialmente procedente, preservando a obrigatoriedade, estipulada pela lei, de vigilância e cercamento dos estacionamentos. A Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Advocacia-Geral da União (AGU) se manifestaram a favor da lei e foram vencidas no julgamento. Com informações da Agência Brasil.
Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado. Infonavweb